sábado, 2 de janeiro de 2010

Reportagem!!


Olá

Td bem?

Hoje eu vou falar de uma reportagem q eu vi no jornal é de cair o queixo

"Pulseiras do sexo"

Verdes, amarelas, roxas, pretas, douradas. As pulseiras coloridas de borracha que recentemente tomaram o pulso de crianças e jovens de todo o País têm gerado polêmica. O que parece apenas modismo de adolescentes pode ser bem mais perigoso do que se imagina. Criado na Inglaterra, o "snap", ou "estouro", consiste em tentar arrebentar uma pulseira (lá chamada de "shag band", ou "pulseira do sexo") que o amigo ou amiga tem no braço. Se conseguir, o dono da pulseira terá de se submeter ao ato correspondente aquela cor, segundo um código já pré-definido, que também foi importado do exterior e que sugere ações nada apropriadas para essa faixa etária. Rosa por exemplo, corresponde a mostrar os seios. Roxa, simboliza beijo com língua. Preta, sexo. E a dourada é uma junção de todas as outras cores.
É difícil saber quando e quais adolescentes brasileiros seguem as regras desse jogo erótico criado pelos ingleses daqueles que apenas foram atraídos pelas cores vibrantes dos braceletes. Mas, de qualquer maneira, o assunto é um bom motivo para pais e filhos conversarem, acredita a psicóloga Margareth Scherschmidt, especialista em infância e adolescência. " por uma lado, nós vivemos um momento em que os pais estão extremamente ocupados em produzir, em trazer suprimento material para casa e acabam esquecendo - se da linguagem simbólica que acontece todos os dias. É sim um alerta, porque os pais deveriam ter uma curiosidade saudável pela vida do filho, por seus gostos, pelas coisas que ele está usando e o porque está usando aquilo. Ninguém pergunta mais. Por outro lado, os próprios adolescentes também não questionam. Apenas imitam uns aos outros, sem muitas vezes conhecer os reais significados do que usam e consomem, apenas para fazer parte daquele grupo", analisa.
Sobre jogos sexuais com as pulseiras, cujo pacote com uma dezena custa de R$1 a R$1,50, Margareth afirma que vivemos a banalização do sexo também entre os adolescentes: " As meninas, que antes não tinham esse padrão masculino de quantidade, hoje têm. 'Beijei tantos meninos, namorei tantos garotos'. A sexualidade está se 'coisificando'. Está virando consumo. Ao mesmo tempo, parece ser um jogo para transgredir os limites do outro, um teste, porque os jovens hoje não têm mais limites", alerta.
Para ela, a solução ainda é a boa e velha conversa com os filhos: " É preciso se encontrar dentro de casa para almoçar, para conversar, ou mesmo para ficar em silêncio. Pais e filhos precisam se ver, se sentir. Como os pais vão perceber uma cara de tristeza ou ansiedade no adolescente se não participam da mesma rotina?", questiona. " O segredo está em participar, não em proibir ou fingir que aquilo simplesmente não existe."
26 de Dezembro de 2009 - Folha universal

Sinceramente o mundo está perdido pq a cada dia q se passa acontece alguma tragédia ou está acontecendo coisas que só observar q é fora do comum.

Pode ser q tenha gente q não acredite nisso mas é verdade

Essa foi uma reportagem q eu li por acaso mas q eu achei muito chocante por isso postei aki

Bjssssssssssss

Tenha um otimo dia

3 comentários:

nada complicada disse...

Olá

Realmente um absurdo essa coisa da pulseira, é impressionante como o povo tem imaginação pra inventar coisa que não presta...

Ah adorei seu comentário no meu blog

Bjocas

Desabafando disse...

é....triste ver gente tão jovem agindo assim...tudo muito precoce.

Passei aqui pra retribuir sua visita e agradecer ao comentário que deixou. Volte sempre.

@philipsouza disse...

Vamos ver ate aonde isso chega...entra ano e sai ano sempre algo novo...

bjos