quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Como controlar o duende verde do ciúme?



Há quem diga que ele é inevitável, que qualquer relação o envolve. Há quem pense que ele é uma espécie de "tempero" para os relacionamentos. Há quem o veja como uma prova de amor. Independentemente de como ele seja percebido, a verdade é que o ciúme está presente em boa parte das relações. E é até natural que esteja. Quando gostamos de alguém, tendemos a querer que a pessoa seja só nossa ou pelo menos mais nossa do que dos outros. Mas sabemos que a pessoa que amamos tem uma vida própria, com um passado, amigos e afazeres. É aí que surge o ciúme, a partir do incômodo gerado pelo reconhecimento de que somos pessoas diferentes. 

Mesmo que o ciúme seja muito frequente nas relações, ele pode se manifestar de diferentes formas e pode ter diferentes graus. Ele pode ser só aquela "pontinha de ciúme" inofensiva que não chega a gerar atrito entre o casal. Mas pode ser também o oposto disso, ou seja, algo que atrapalha a relação, que abala o convívio, que gera estresses, ansiedades, desentendimentos, brigas e até separações. Enquanto o primeiro tipo não chega a ser um problema, o segundo certamente é e é exatamente ele que precisa de controle. Mas como? 

Bem, em primeiro lugar o ciúme exagerado está ligado à insegurança. Se eu tenho tanto medo de ser trocada por outra (outra pessoa, outra coisa...), é sinal de que não me sinto tão importante assim na vida do meu amor. E se eu não me sinto importante é porque eu não o vejo dar sinais da minha importância ou o que é ainda mais comum, porque eu não me valorizo o suficiente. Se eu não me sinto bonita, legal, divertida, interessante, atraente, provavelmente vou morrer de medo de o meu par me trocar por alguém que tenha todas essas qualidades. Nesse caso, o problema é muito mais meu, comigo mesma do que entre eu e o meu companheiro. Se você se identifica com essa historinha hipotética é a hora de pensar por que você não está se valorizando. Lembre-se que seu par te escolheu e se ele te escolheu foi graças às suas qualidades. Se você não as enxerga, não tenha dúvidas de que seu amor as percebe e as reconhece. 

Outro fato importante, e que nem sempre o ciumento percebe que ciúme exagerado é chato. Tente se colocar no lugar da outra pessoa e pense como é chato ter alguém sempre desconfiando, sempre fazendo mil perguntas, implicando com tudo e com todos, criticando tudo e a todos. É chato, desgastante e principalmente é algo capaz de afastar a outra pessoa do que de aproximá-la. Quem tem um ciumento ao seu lado geralmente se sente sufocado, pressionado. 
Por esta razão, se você está sentindo aquela "coceirinha" do ciúme e não está conseguindo controlá-la de maneira alguma, tente conversar com um amigo que seja minimamente neutro e imparcial. Peça a opinião dele e pergunte o que ele pensa, pergunte se você está exagerando ou peça ideias para contornar a situação. Uma pessoa de fora que não está diretamente envolvida na situação pode ser um excelente parâmetro para você entender se seus ciúmes estão ou não passando dos limites, se você tem razões objetivas para senti-lo ou não, além de ser um ótimo meio de extravasar suas emoções. 

Por último, uma dica que pode ajudar os relacionamentos a sobreviverem ao ciúme exagerado: o diálogo. Se o ciúme é na maioria dos casos, sinônimo de insegurança, a conversa pode ser um ótimo meio de transmitir mais segurança para o ciumento. Veja bem, quando me refiro à conversa, não estou falando de acusar, apontar o dedo, gritar, espernear, tentar controlar, fazer chantagem... Nada disso! Pelo contrário, em vez de ser uma ocasião para cobranças, a conversa pode ser um bom meio de expor os próprios sentimentos. Dialogar é chegar e dizer: "Olha, eu sei que você não tem culpa, eu sei que eu posso estar exagerando, mas a verdade é que eu estou morrendo de ciúmes e não sei o que fazer. Me ajuda?". Dividir os sentimentos com a outra pessoa, pedir ajuda, tentar buscar uma solução conjunta, é assumir que está tendo uma dificuldade e quer melhorar. E conversando a gente pode conseguir mandar o duende verde do ciúme embora (ou pelo menos deixá-lo sentado quietinho num canto sem atrapalhar a nossa vida amorosa). Fonte


Beijos

2 comentários:

Simara Pink disse...

Oi lindona!
O coisinha ruim de controlar né, adorei.
Aguardo sua visita no meu cantinho viu.
Meu Blog: ➥ Plantão da Beleza
Minha Lojinha ➥ Lojinha Blog Chic

BeijosssssssssSimara Pink ♥♡♥♡♥♡♥♡♥♡♥♡

Tsu disse...

Oi Jes!
Vc chegou a conferir as sessões anteriores de cosplay? Tem bastante coisa legal!
Otimo post...eu sofro com esse mal..mas não sou eu que sinto e sim o meu parceiro.
Quantas vezes o ciúme excessivo dele já me causou stress nem sei dizer. Me pergunto pq diabos depois de tanta encheção de saco ainda estou com ele..coração é uma merda mesmo.
É o ponto de que temos modos de vida diferentes, e, se ele achava que teria uma guria que depois que namorasse com ele não terai mais qualquer contato com amigos e amigas, se engana todo dia.
Depois que reatei, passei a ocultar muitas coisas que faço: coisas inofensivas mas se ele dá piti por qualquer coisa e não quer adentrar nas coisas que eu gosto, bom eu que não vou abandonar isso.

bjs